FALTA MAIS NADA: Risco de ‘tsunami’ no Rio Grande do Norte

0
247

Não se trata de propagar o pânico. Entretanto, análise de risco, a partir de fontes cientificas, admite a possibilidade remota de um “tsunami” atingir o nordeste do Brasil, e, particularmente, o Rio Grande do Norte.

Na última sexta feira, 18, verificou-se tremor de magnitude 6.9 na “escala Richter”, nas proximidades do arquipélago São Pedro e São Paulo, que significa risco de destruição num raio de até 100 quilômetros. A confirmação foi do Laboratório Sismológico da UFRN (LabSis/UFRN).

Registrou-se o epicentro a aproximadamente 816 km a nordeste de Fernando de Noronha, 1.184 km a nordeste de São Miguel do Gostoso (RN), 1.193 km a nordeste de Natal, 1.338 km a norte-nordeste de Recife e 1.405 km a nordeste de Fortaleza.

Eventos desse tipo podem eventualmente originar “tsunami”, desde que alcancem a magnitude entre 7 e 7.9 graus e o movimento na falha geológica seja do tipo reverso, o que causaria levantamento, ou afundamento brusco do soalho oceânico. São propícios à destruição de edifícios, produzem fendas e danificação de toda tubulação contidas no subsolo.

Além de 8 graus, os eventos destroem pontes e construções existentes. Hipoteticamente, se houvesse um terremoto de 12 graus, a terra seria partida ao meio.

A magnitude de tais fenômenos é medida pela “escala Richter”, que expressa as consequências de cada terremoto, ou tsunami.

O Rio Grande do Norte é o estado mais exposto, por localizar-se em seu território a maior falha geológica do Brasil, que tem extensão de 38 km por 4 km de largura e corta os municípios de Parazinho, João Câmara, Poço Branco e Bento Fernandes, com profundidade de 9 km. Essa falha denominada de “Samambaia” é a ruptura de blocos de rochas, que acumulam energia e podem liberar essa energia, causando terremotos e até “tsunamis”.

Um dos eventos sísmicos de maior proporção no Brasil teve a denominação do “sismo de João Câmara”, ocorrido no Rio Grande do Norte e consistiu numa série de abalos, no ano de 1986. O terremoto principal foi no dia 30 de novembro, com magnitude de 5.1, seguido por milhares de réplicas. Um dos tremores alcançou a cidade de Natal, no grau 4.3 na Escala Richter.

Recentemente, no final de agosto, pessoas saíram às ruas em Amargosa, no estado da Bahia ”, face as notícias de casas abaladas e rachadura vertical na Igreja de um distrito. De acordo com o Serviço Geológico dos Estados Unidos confirmou-se tremor de terra, que alcançou 4.6 na escala Richter, tendo sido o maior abalo sísmico no Estado, tanto pela magnitude, como em extensão, cerca de 400 km² de raio, atingindo parte do Recôncavo.

No mesmo horário da Bahia, a terra balançou na região de Pedra Preta, no RN (magnitude 2.2).

NEY LOPES / DIÁRIO DO PODER

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui