Emparn prevê chuvas dentro da média no Rio Grande do Norte em 2021

0
171

A Empresa de Pesquisa Agropecuária (Emparn) prevê um ano de 2021 com chuvas dentro da média no Rio Grande do Norte e com a possibilidade de ficar um pouco acima em alguns trechos do interior do estado.

A previsão foi divulgada na terça-feira (12) durante a apresentação das perspectivas climáticas para o ano atual. O trabalho também fez um balanço de 2020.

Segundo o meteorologista Gilmar Bistrot, a tendência é que o ano de 2021 apresente características climáticas no estado semelhantes a anos anteriores que apresentaram boas chuvas.

“Esse ano, é importante dizer, que a atividade solar está em fase com a La Niña em seu mínimo. E quando isso acontece, a gente sempre tem bons anos de chuvas, como aconteceu em 2008, 2009 e 2011. Então é uma coisa parecida com esses anos”, explicou.

“Então, esse ano provavelmente teremos uma situação de normal a um pouquinho acima do normal no interior do estado”.

A previsão climática é de que o inverno tenha início no estado entre o fim de fevereiro e o início de março.

Para a estação pré-chuvosa, a expectativa é de ocorrência de chuvas dentro da média histórica, de acordo com a análise da Unidade Instrumental de Meteorologia da Emparn.

“Estamos muito felizes com as boas previsões, com à possibilidade de termos um inverno acima da normalidade. As chuvas se iniciando agora no final do mês de janeiro, inverno se consolidado a partir da segunda quinzena de fevereiro, estamos atentos a tudo isso”, explicou o secretário da Agricultura, da Pecuária e da Pesca, Guilherme Saldanha.

Chuva em Natal — Foto: Pedro Vitorino/Cedida

Chuva em Natal — Foto: Pedro Vitorino/Cedida

A região Oeste tem a maior estimativa de volume pluviométrico médio para 2021, com 315 milímetros (mm) para os meses de janeiro, fevereiro e março.

As regiões Leste e Central têm, cada uma, previsão de 250mm e o Agreste, 188mm.

As boas chuvas devem ocorrer em função do fenômeno La Niña. “Desde meados de 2020 estamos presenciando a atuação do fenômeno La Niña. O fenômeno, em oposição ao El Niño, ocasiona o resfriamento da temperatura média das águas superficiais na faixa equatorial do oceano Pacífico, aumentando os ventos alísios de leste na superfície inibindo a formação de nuvens”, explicou o meteorologista Gilmar Bistrot.

“Com esse cenário espera-se um quantitativo normal de chuvas no RN, porém com de grande variabilidade temporal e espacial, característica inerente ao clima semiárido”.

Balanço de 2020

O balanço sobre as chuvas de 2020 mostrou que o Rio Grande do Norte apresentou chuvas entre as categorias de normal a acima do normal com volume médio de 910,1 mm, superando os volumes esperados nas regiões Oeste, Leste e Agreste.

Evento para apresentar previsão de chuvas para 2021 aconteceu na terça-feira (12) — Foto: Sara Cardoso/Inter TV Cabugi

Evento para apresentar previsão de chuvas para 2021 aconteceu na terça-feira (12) — Foto: Sara Cardoso/Inter TV Cabugi

A região Leste foi a que registrou o maior volume acumulado médio observado, com 1.313,3 mm, enquanto que o esperado era de 1.252,1mm.

A região Oeste está logo atrás, com 919,7mm, enquanto 790,6 era o esperado. O Agreste acumulou 710mm e o esperado era de 714,5mm. E a região Central acumulou 697,1mm e o esperado era de 627,7mm.

A cidade de Mossoró foi quem bateu o recorde de chuva diária, com 176,4 mm ocorrida em 29 de fevereiro, sendo este o maior volume diário dos últimos 63 anos.

Já Natal registrou, em maio, volumes com 426,1 mm, sendo seu segundo maior índice pluviométrico desde 1963. O primeiro ocorreu em 2011 com 447,4 mm.

G1/RN

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui