Bruno Covas é hospitalizado após desconforto abdominal

0
209

Após sentir desconforto abdominal entre terça e quarta-feira (13), o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), foi hospitalizado no Sírio-Libanês na tarde desta quarta para uma avaliação clínica completa. Os resultados iniciais dos exames indicam que trata-se de uma colite, inflamação do cólon, parte central do intestino grosso.

Covas faz tratamento contra um câncer diagnosticado, inicialmente, na cárdia, transição entre estômago e esôfago. Ele continua fazendo imunoterapia contra câncer linfonodos.

“Neste momento o paciente encontra-se clinicamente muito bem, em observação médica enquanto aguarda a conclusão de exames complementares”, diz o boletim médico desta quarta.

Bruno Covas vem sendo acompanhado pelas equipes médicas coordenadas pelo Prof. Dr. David Uip, pelo Prof. Dr. Roberto Kalil Filho, Dr. Artur Katz e Dr. Tulio Eduardo Flesch Pfiffer.

Descoberta do Câncer

O prefeito foi internado pela primeira vez no dia 23 de outubro, quando chegou ao hospital com erisipela (infecção na perna), que evoluiu para trombose venosa profunda (coágulos) na perna direita. Os coágulos subiram para o pulmão, causando o que é chamado de embolia.

Durante os exames para localizar os coágulos, médicos detectaram um câncer na cárdia, região entre o esôfago e o estômago, com metástase no fígado.

Covas passou por oito sessões de quimioterapia mas, segundo a equipe médica, não foram suficientes para vencer o câncer.

No último boletim médico divulgado em 28 de abril, a equipe do Sírio Libanês afirmou que Bruno Covas continua com câncer nos linfonodos, sendo necessário que ele continue com o tratamento de imunoterapia.

Na ocasião, o prefeito foi submetido a exames de controle, entre eles a ressonância magnética, “que demonstraram que o tratamento está sendo eficaz no combate ao câncer que persiste nos linfonodos”.

“Diante desse resultado, a equipe médica decidiu que o prefeito seguirá realizando aplicações endovenosas de imunoterapia a cada três semanas”, informou a nota assinada pelos médicos em 28 de abril.

Naquele mesmo dia, a equipe médica que atende o prefeito de São Paulo pediu para que ele retornasse ao hospital em dois meses para a realização de novos exames, mas, enquanto isso, ele segue “apto para exercer suas atividades.”

G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui