Vereadores do Rio votam abertura de impeachment do Prefeito Marcelo Crivella nesta terça

183

A Câmara Municipal do Rio vota nesta terça-feira (2) se abre mais um pedido de impeachment contra o prefeito Marcelo Crivella – o segundo em menos de uma semana.

Fiscal da Secretaria de Fazenda e autor do pedido, Fernando Lyra Reys afirma que Crivella cometeu crime de responsabilidade ao renovar contratos de mobiliários urbanos em dezembro de 2018. A medida teria favorecido as empresas OOH Clear Channel e JCDecaux.

De acordo com a denúncia, as empresas tinham 20 anos para explorar o serviço e, depois disso, o material passaria a pertencer ao município. Uma emenda, no entanto, foi apresentada pelo Poder Público para renovar a concessão. Reys sustenta que isso causou prejuízos aos cofres públicos.

Presidente da Câmara, o vereador Jorge Felippe decidiu levar o pedido de Reys ao plenário. Semana passada, Felippe optou pelo arquivamento direto de outro processo, movido por um advogado.

Procurada, a prefeitura informou que não comentaria a denúncia.

Desvantagem

Na semana passada, um grupo de 33 vereadores votou a favor de uma mudança na Lei Orgânica do Município para transformar as eleições em indiretas já a partir do fim do segundo ano de mandato. A alteração seria uma resposta a um possível impedimento do prefeito. Era necessário mais um voto para que a emenda passasse.

Agora, outros vereadores de oposição devem apoiar a admissibilidade do pedido, como os seis da bancada do PSOL.

“O documento é forte. Mostra claros indícios de improbidade administrativa e de recursos públicos jogados fora”, afirmou Paulo Pinheiro. “Não há mais condições de vida para um governo morto por dentro”, emendou.

CPI da Márcia

Também nesta terça, a partir das 13h, a CPI da Câmara Municipal que investiga irregularidades na fila da Saúde ouve coordenadores do sistema de regulação, ligados à Secretaria de Saúde. O colegiado também colhe o depoimento de representantes da Secretaria de Fazenda responsáveis por dar isenção de IPTU a igrejas.

A CPI investiga irregularidades denunciadas pelo Jornal O Globo após uma reunião do prefeito Marcelo Crivella com cerca de 250 líderes evangélicos, em julho do ano passado, no Palácio da Cidade.

G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here