F1 pagará R$ 2,9 bi a equipes em 2017; Ferrari segue como mais bem paga

22915

A Ferrari foi a terceira colocada em 2016, atrás de Mercedes e RBR. Mas, ainda assim, a maior parte do dinheiro coletado pela FOM (Formula One Management) com a taxa para realização dos GPs, direitos de imagem e até camarotes, irá para Maranello. De acordo com o site “Motorsport”, o faturamento da detentora dos direitos comerciais da categoria é estimado em US$ 1,83 bilhão (aproximadamente R$ 5,6 bilhões), com receitas subjacentes de US$ 1,38 bilhão (R$ 4,2 bilhões). Deste último valor, 68% são distribuídos entre as equipes melhor classificadas no campeonato.

Neste ano, o valor está na casa dos US$ 940 milhões (R$ 2,9 bilhões), e é 3,5% menor que o de 2016. A cifra recebida pelas equipes segue alguns fatores, tais quais desempenho durante o ano, histórico nas temporadas passadas e acordos especiais, como no caso da Ferrari, que ganha um bônus pela longevidade na categoria. A escuderia italiana receberá US$ 180 milhões (R$ 554 milhões), o que representa quase um quinto do todo. No entanto, a alta quantia é US$ 12 milhões menor do que a do ano anterior.

Já a tricampeã Mercedes, apesar de ter recebido o maior valor de premiação graças ao título de construtores, vai levar US$ 171 milhões no total (R$ 527 milhões), US$ 10 milhões a mais que a RBR. A McLaren ficou no quarto lugar na tabela, com US$ 97 milhões (R$ 298 milhões), seguida da Williams com US$ 79 milhões (R$ 243 milhões), US$ 7 milhões a mais que a Force India. STR vem em sétimo com US$ 59 milhões (R$ 181 milhões), Renault em oitavo com US$ 52 milhões (R$ 160 milhões), Sauber em nono com US$ 49 milhões (R$ 151 milhões), e a novata Haas fechando o Top 10 com US$ 19 milhões (R$ 58 milhões).

Confira tabela completa:

Ferrari – R$ 554 milhões
Mercedes – R$ 527 milhões
RBR – R$ 517 milhões
McLaren – R$ 298 milhões
Williams – R$ 243 milhões
Force India – R$ 236 milhões
STR – R$ 181 milhões
Renault – R$ 160 milhões
Sauber – R$ 151 milhões
10º Haas – R$ 58 milhões