Depoimento de Flordelis sobre morte de pastor tem contradições

60

A deputada federal Flordelis (PSD) se contradisse em seus depoimentos realizados na Delegacia de Homicídios de Niterói, na Região Metropolitana do Rio, sobre a morte de seu marido, o pastor Anderson do Carmo.

No primeiro depoimento dado à polícia, no dia do assassinato, Flordelis declarou que no momento do crime ela estava dormindo e acordou pelo barulho de disparos de arma de fogo. No entanto, voltou a dormir já que mora em uma área próxima de comunidades e barulhos de tiros são comuns.

Minutos depois, ela teria sido acordada por gritos vindos da casa dela e que desceu para ver o que estava acontecendo. Neste momento, ela encontrou Anderson caído no chão da garagem com vários ferimentos.

Ainda neste depoimento, Flordelis caiu em contradição. Desta vez, ela disse que chegou de um passeio com o marido, foi para o quarto de um dos filhos e teria conversado com o filho Ramon. Cerca de dez minutos depois, ouviu uma série de disparos de arma de fogo.

Desta vez, Flordelis contou que ficou alguns minutos no quarto e depois, como Anderson não chegou, passou a pensar no pior. Alguns filhos teriam descido e avistaram Anderson alvejado na garagem.

Além disso, a deputada contou que os outros filhos não deixaram ela descer para ver a cena. Nesta versão, Flordelis não teria visto o corpo do marido na garagem como havia afirmado inicialmente.